Economia

Beira Interior prevê quebra de cerca de 40% na produção de vinho

Diario Digital Castelo Branco/Lusa | 2018-09-13 09:37:00

A produção de vinho na Beira Interior deve registar este ano um decréscimo face a 2017 da ordem de 40%, mas a qualidade "estará assegurada", anunciou hoje a Comissão Vitivinícola Regional da Beira Interior (CVRBI).

O diretor técnico da CVRBI, Rodolfo Queirós, disse hoje à agência Lusa que no ano passado a região produziu cerca de 22,5 milhões de quilos de uvas, mas este ano a estimativa aponta para "uma quebra de cerca de 40%" devido a vários fatores.

Segundo o responsável, este ano foi "completamente atípico" e para a redução da produção de vinho contribuíram vários fatores climatéricos, como a queda de muita chuva e as altas temperaturas que originaram doenças nas videiras e "escaldões" nas uvas.

"Estamos a apontar para um prejuízo na ordem desses valores", disse Rodolfo Queirós, explicando que na área da CVRBI existem "casos e casos".

Contou que algumas vinhas estão praticamente como num ano normal, em que não há grandes prejuízos, e outras que registam casos "muito complicados".

As condições climatéricas adversas atingiram "um pouco a região pelo todo", mas sublinhou que "atingiu muito a zona de Pinhel", que é a maior produtora de uvas da área de abrangência da CVRBI.

Apesar das previsões apontarem para quebras na produção, o diretor técnico da CVRBI disse à Lusa que a qualidade dos vinhos não será posta em causa: "Em termos qualitativos, não vamos sentir essa quebra".

As vindimas estão a iniciar-se em muitas zonas da área da CVRBI e Rodolfo Queirós acredita que haverá "ainda muito por onde escolher" para garantir a qualidade dos vinhos produzidos na região.

"Eu penso que nós, em termos de qualidade - falando agora dos vinhos certificados -, não vamos ser afetados, porque nós, infelizmente, só certificamos cerca de 15% do total do potencial da produção que temos na região e o resto vai para o vulgarmente designado vinho de mesa", concluiu o responsável.

A CVRBI tem sede na Guarda, no Solar do Vinho, e abrange as zonas vitivinícolas de Castelo Rodrigo, Pinhel e Cova da Beira, nos distritos de Guarda e de Castelo Branco, onde existem 65 produtores de vinho, sendo quatro adegas cooperativas e 61 produtores particulares.


Publicidade
Meteorologia
Hoje
Amanhã
Noticias
Newsletter
Publicidade
Publicidade
© Diario Digital Castelo Branco 2018
Política de privacidade e cookies
Desenvolvido por citricweb.pt