Região

Oleiros: Ateliê do Medronho na Madeirã, dia 3 de novembro

Diario Digital Castelo Branco | 2018-10-12 05:27:00

Está agendado para o próximo dia 3 de novembro, na Madeirã, o "Ateliê do Medronho", integrado na iniciativa "Dez Freguesias, Dez Experiências".

Organizado pelo Município de Oleiros e pela Junta de Freguesia de Madeirã, contando com o apoio da Associação Recreativa e Cultural de Melhoramentos da Aldeia da Cava (ARCA), do Grupo de Amigos da Freguesia de Madeirã (GAFM) e do Geopark Naturtejo, o ateliê irá contemplar um passeio pedestre interpretativo e a recriação histórica “Os Madeiranenses da diáspora”, a cargo da Companhia de Teatro Viv´Arte.

Refira-se que a sede desta freguesia deve o seu topónimo ao facto de ser terra de madeiras, em virtude da existência de grandes e frondosas árvores. Na obra Memórias da Villa de Oleiros e do seu concelho, em 1881, D. João Maria Pereira d´Amaral e Pimentel referia que "a aguardente de medronhos colhidos nos matos foi, nos anos 1856 e 1857, a principal riqueza da freguesia e poderia ser um grande recurso, se continuassem a aproveitá-los e houvesse máquinas de destilação".

O ateliê inicia-se às 9:00h, no Adro da Igreja Matriz de Madeirã, onde será recriada a tradicional "desjejua". Dali inicia-se o passeio interativo com passagem por alguns imóveis antigos do aglomerado urbano, por uma casa de lavoura onde serão abordadas algumas tradições agrícolas, por um local com vista panorâmica para os Meandros do Zêzere (incluindo uma explicação pela geóloga Joana de Castro Henriques) e como não poderia deixar de ser, pela destilaria Silvapa, com visita a um espaço musealizado com peças de várias épocas.

A atividade culmina no Santuário do Senhor Jesus do Vale Terreiro com a recriação histórica, seguida do almoço. A recriação pretende ser um tributo aos filhos da terra, desde os que permaneceram nas raízes (como um núcleo de lavradores, instalados na aba sul do Vale do Zêzere, cuja produção de castanheiro foi prioritária à sua subsistência e alguns barbeiros-sangradores) e os que procuraram fortuna noutras paragens (em Lisboa, ligados à atividade comercial e em Belém do Pará – Brasil, ligados à indústria e comércio). Estes foram responsáveis pela construção de alguns dos imóveis habitacionais, escolares e religiosos da freguesia, marcando a arquitetura do casario.

Recorde-se que a ação "Dez Freguesias, Dez Experiências" integra o projeto intermunicipal Beira Baixa Cultural, na categoria Ateliês Temáticos de Cultura e Gastronomia. Este é promovido pela Comunidade Intermunicipal e Municípios que a constituem, sendo cofinanciado pelo Fundo de Desenvolvimento Europeu / Portugal 2020. Os interessados em participar podem inscrever-se até ao dia 26 de outubro, na Casa da Cultura de Oleiros, presencialmente ou por telefone (272 680 230).


Publicidade
Meteorologia
Hoje
Amanhã
Noticias
Newsletter
Publicidade
Publicidade
© Diario Digital Castelo Branco 2018
Política de privacidade e cookies
Desenvolvido por citricweb.pt