Professores lesados juntam-se frente ao ministério

Professores que se consideram lesados pelas colocações determinadas na segunda bolsa de recrutamento juntam-se hoje frente às instalações do Ministério da Educação e Ciência, numa manifestação que o ministro diz não ter “razão de ser”.

  • Educação
  • Publicado: 2011-09-23
  • Autor: Diario Digital Castelo Branco/Lusa

Professores que se consideram lesados pelas colocações determinadas na segunda bolsa de recrutamento juntam-se hoje frente às instalações do Ministério da Educação e Ciência, numa manifestação que o ministro diz não ter “razão de ser”.

O protesto, marcado pela Federação Nacional dos Professores (FENPROF) tem início às 15:00, frente ao edifício do ministério na avenida 05 de outubro, em Lisboa.

A estrutura sindical liderada por Mário Nogueira insiste que o ministério “mentiu” quando na quarta-feira garantiu não ser da sua responsabilidade a confusão em torno das últimas colocações de professores, mas uma consequência direta dos pedidos feitos pelas escolas.

O ministro da Educação, Nuno Crato, afirmou na quinta-feira que esta manifestação “não tem razão de ser”, mas mostrou-se disponível para se reunir com os professores.

As escolas, diz a FENPRPF, foram “impedidas de lançar colocações anuais” ou, se o fizeram, “o pedido foi alterado”.

Candidatos mais graduados que concorrem a lugares anuais e se encontravam no topo da lista acabaram por ser ultrapassados por outros em posições inferiores, segundo os sindicatos.

Depois de o Governo ter dito que um mês é a duração mínima dos contratos e que estes correspondem às necessidades apresentadas pelas escolas, os diretores dos agrupamentos refutaram que apenas era permitida a opção “temporário” na plataforma informática, quando antes podiam identificar o período necessário.

PUB

PUB

PUB

PUB