Fundão: Bombos de Alcongosta recolhem árvores para reflorestar a Gardunha

O Grupo de Bombos de Alcongosta, freguesia do concelho do Fundão, recolheu no domingo passado, dia 10, na zona dos Pinheiros Altos, mais de mil árvores nascidas em amontoados onde houve regeneração natural na área ardida, para no próximo outono serem replantadas na Serra da Gardunha, devastada pelas chamas no verão de 2017.

  • Região
  • Publicado: 2019-03-15
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

O Grupo de Bombos de Alcongosta, freguesia do concelho do Fundão, recolheu no domingo passado, dia 10, na zona dos Pinheiros Altos, mais de mil árvores nascidas em amontoados onde houve regeneração natural na área ardida, para no próximo outono serem replantadas na Serra da Gardunha, devastada pelas chamas no verão de 2017.

“Quisemos dar o nosso contributo e fazê-lo aqui em Alcongosta, num sítio específico tão simbólico, que toda a gente conhece, onde havia uma grande densidade de árvores e que vai desaparecer como sempre o vimos, quando os pinheiros ardidos forem cortados. Apanhámos as plantas neste local e agora vamos cuidar delas para, no outono, os cedros serem replantados enquadrados com o plano de reflorestação”, explica em comunicado Pedro Nunes, o presidente do Grupo de Bombos de Alcongosta.

Os elementos do grupo, uma dezena e meia, optaram por recolher as árvores do local em vez de fazer sementeira, para “experimentar uma coisa diferente” e tentar preservar uma herança do local onde está localizada a curva dos Pinheiros Altos, à saída de Alcongosta, em direção à Casa do Guarda.

“Gostávamos que ficasse naquela zona ou numa próxima, na expectativa de que uma parte da serra se assemelhe no futuro ao que era aquela zona, com aquelas características tão próprias, um espaço com o qual todos nós nos identificamos e que fazia parte da identidade da freguesia”, realça Telma Rolão, outro dos membros do Grupo de Bombos de Alcongosta que participou na ação.

A iniciativa realizou-se com o apoio da Junta de Freguesia, que facultou o transporte dos materiais, do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e da Câmara Municipal do Fundão, que cedeu a terra e as couvetes.

Os promotores sublinham a preocupação com a reciclagem, a reutilização de materiais e por isso juntaram também embalagens vazias de leite para acomodarem árvores.

O intuito é, assim que a candidatura entregue pela Junta de Freguesia de Alcongosta estiver aprovada, o plano de reflorestação definido e as árvores na altura própria para voltarem ao solo da Gardunha, o Grupo de Bombos de Alcongosta fazer uma iniciativa mais alargada para que mais gente possa contribuir para o renascer da serra.

“Nós só tivemos de meter mãos à obra e todos estamos muito satisfeitos por dar um pequeno contributo para recuperar o que é de todos e esperamos que resulte”, sublinha Patrícia Fernandes, outro elemento do Grupo de Bombos de Alcongosta.

PUB

PUB

PUB

PUB