Incêndios: Projeto educativo ‘online’ tem nova ferramenta sobre fogos florestais

O engenheiro geógrafo de Castelo Branco que desenvolveu o projeto educativo "Google Earth na Sala de Aula" apresentou um novo mapa referente às áreas ardidas em Portugal continental entre os anos de 1990 e 2017.

  • Educação
  • Publicado: 2019-04-03
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

O engenheiro geógrafo de Castelo Branco que desenvolveu o projeto educativo "Google Earth na Sala de Aula" apresentou um novo mapa referente às áreas ardidas em Portugal continental entre os anos de 1990 e 2017.

"Estou a apresentar o novo mapa do projeto de autor, sem fins lucrativos, Google Earth na Sala de Aula, que já tem quase 40 mapas publicados. Desta vez é referente às áreas ardidas em consequência dos incêndios florestais ocorridos entre o ano 1990 e o ano de 2017. É um mapa dinâmico KML (formato nativo do Google Earth), que combina as manchas ardidas com os dados estatísticos em gráfico evolutivo por cada um dos 28 anos de registos", explicou à agência Lusa Luís Correia Antunes.

O geógrafo adianta que o mapa com os registos dos incêndios florestais de 1990 a 2017 tem grande utilidade na sua aplicação em várias áreas científicas, educativas ou profissionais e por toda a componente de análise espacial e topológica para poder combinar as quase três décadas de dados num único mapa KML dinâmico.

"Este vai ser o primeiro de três mapas sobre a temática dos incêndios florestais: Áreas Ardidas (de 1990 a 2017), aos quais se seguem os concelhos com mais áreas ardidas entre 1990 e 2017 e mapa com as áreas de reincidência dos incêndios entre 1990 e 2017", disse.

Todos os mapas do projeto foram feitos com base no mesmo conjunto de dados, o registo dos incêndios rurais do Instituto da Conservação da natureza e das Florestas (ICNF).

O "Google Earth na Sala de Aula" é um projeto educativo sem fins lucrativos, criado em 2013, com o objetivo de proporcionar a toda a comunidade educativa formação acerca da utilização das diversas ferramentas Geo da Google.

Desenvolve e disponibiliza gratuitamente mapas para serem consultados em ‘Google Earth' ou no ‘Google Maps', não sendo exclusivo para professores de Geografia.

Há recursos cartográficos adaptados para todas as áreas curriculares, como o mapa das áreas protegidas, cartografia histórica de Lisboa após o terremoto de 1755, evolução dos computadores, e outros cerca de 30 recursos já disponíveis para consulta e ‘download' na página da internet do projeto (http://www.mapasnasaladeaula.org/).

Neste momento, os mapas existentes estão divididos pelas categorias: Portugal, Brasil, Internacionais, Cartografia Histórica e Mapas Geocolaborativos.

Desde 2015, com o lançamento da página ‘web' do projeto, toda a informação ficou disponibilizada num único local, sendo que os mapas deixaram de ser para uso exclusivo em ‘Google Earth' para estarem disponíveis nas multiplataformas do ‘Google Maps', podendo ser consultados também nas plataformas móveis com recurso a GPS.

O projeto "Google Earth na Sala de Aula" foi um dos vencedores do prémio "MundoGEO#Connect 2015", que é atribuído desde 2011 e que reconhece pessoas, instituições, empresas, marcas, equipamentos e sistemas que se destacaram e contribuíram para o desenvolvimento do mercado de geotecnologias.

PUB

PUB

PUB

PUB