Castelo Branco: Escola Agrária arranca com 1ª Escola de Pastores do País

O dia 23 de setembro ficou marcado pelo arranque formal da Escola de Pastores. Realizada na Escola Superior Agrária de Castelo Branco, a Sessão Pública de Arranque da Escola de Pastores, contou com a presença da Presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, com o Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, Luís Correia, da Presidente da InovCluster – Associação do Cluster Agroindustrial do Centro, Cláudia Domingues Soares e com a presença de António Fernandes e João Luís Monney de Sá Paiva, Presidentes do Instituto Politécnico de Castelo Branco e do Instituto Politécnico de Viseu, respetivamente.

  • Educação
  • Publicado: 2019-10-02
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

O dia 23 de setembro ficou marcado pelo arranque formal da Escola de Pastores. Realizada na Escola Superior Agrária de Castelo Branco, a Sessão Pública de Arranque da Escola de Pastores, contou com a presença da Presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, com o Presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, Luís Correia, da Presidente da InovCluster – Associação do Cluster Agroindustrial do Centro, Cláudia Domingues Soares e com a presença de António Fernandes e João Luís Monney de Sá Paiva, Presidentes do Instituto Politécnico de Castelo Branco e do Instituto Politécnico de Viseu, respetivamente.

Segundo informação a que o Diário Digital teve acesso, trata-se de um projeto ambicioso e pioneiro em Portugal, integrado no “Programa de Valorização da Fileira dos Queijos da Região Centro”, liderado pela InovCluster, que conta com um investimento total de 2,2 milhões de euros e com a participação de 14 parceiros. Para Cláudia Domingues Soares este “é um projeto pioneiro, inovador, que vai funcionar como um projeto piloto para outros que se sigam.

O grande desafio passa pela articulação entre os diversos intervenientes da Região Centro, mas acreditamos que, assente na cooperação e dando resposta a um desafio proveniente do próprio setor, estamos a contribuir para um território mais sustentável e mais competitivo”, acrescentando que a fileira do queijo constitui uma enorme riqueza “pelo património genético; pelo património histórico; pelo património industrial; e pelo património natural e paisagístico”. Já Ana Abrunhosa destaca a importância do trabalho em rede entre instituições, realçando a necessidade de “continuar a apostar nas nossas atividades tradicionais, a valorizar e a dignificar quem está nesses setores, incorporando conhecimento e tecnologia”.

A Escola de Pastores conta com a coordenação do Instituto Politécnico de Castelo Branco – IPCB – e do Instituto Politécnico de Viseu – IPV – que irão ministrar a componente teórica do curso nas instalações da ESACB (Escola Superior Agrária de Castelo Branco) e da ESAV (Escola Superior Agrária de Viseu). Com uma duração de 4 meses, a Escola de Pastores pretende contribuir para o reforço e valorização da atividade da pastorícia e promover a inovação e o conhecimento dentro da fileira dos queijos com DOP – Denominação de Origem Protegida – da Região Centro.

Luís Correia, considera que “o facto de ser a InovCluster a liderar este projeto, com sede em Castelo Branco, revela a aposta assertiva que o município tem levado a cabo, posicionando, ao nível supramunicipal, o ecossistema agroalimentar existente”. Com 34 alunos – 15 em Castelo Branco e 19 em Viseu – a componente letiva prática centrar-se-á em explorações localizadas nas regiões abrangidas pelos queijos com DOP da Região Centro. Os alunos poderão ainda candidatar-se ao “Vale Pastor” e ao “Vale Pastor Mais”. No primeiro caso será atribuído um prémio de 5000 euros aos alunos que concluírem o curso com sucesso e que, posteriormente, se instalarem na atividade da pastorícia num prazo de nove meses. Já o “Vale Pastor Mais” pretende estimular e apoiar os pastores, já instalados na atividade, a garantirem que o leite que produzem segue os critérios definidos para a produção de queijo com DOP, atribuindo um prémio de 2500 euros. A iniciativa abrange a produção de queijos DOP da Serra da Estrela, da Beira Baixa e do Rabaçal.

O projeto de “Valorização dos Queijos da Região Centro" é cofinanciado pelo programa Centro 2020, Portugal 2020 e pela União Europeia através do FEDER.

PUB

PUB

PUB

PUB