Idanha-a-Nova exige continuidade da ESGIN

O Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) está a proceder a uma reorganização científica / pedagógica interna, tendo esta sido apresentada ao seu Conselho Geral, em setembro último. Nesta reorganização foram apresentados ao Conselho Geral vários cenários sendo que nestes a Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova (ESGIN) perde a sua autonomia, diga-se, perde a sua sede em Idanha-a-Nova. 

  • Educação
  • Publicado: 2019-10-17
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

O Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) está a proceder a uma reorganização científica / pedagógica interna, tendo esta sido apresentada ao seu Conselho Geral, em setembro último. Nesta reorganização foram apresentados ao Conselho Geral vários cenários sendo que nestes a Escola Superior de Gestão de Idanha-a-Nova (ESGIN) perde a sua autonomia, diga-se, perde a sua sede em Idanha-a-Nova. 

Atendendo a esta perspetiva, a Assembleia Municipal de Idanha-a-Nova aprovou por unanimidade uma Moção que questiona quanto à eventual perda da sede em Idanha-a-Nova da ESGIN, bem como a uma redução de autonomia e atividade letiva da referida Escola.

Esta moção foi também apresentada pela Câmara Municipal de Idanha-a-Nova ao Conselho Intermunicipal da Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIMBB), constituído pelos 6 presidentes das câmaras municipais que integram a CIMBB, que se pronunciaram maioritariamente favoráveis à continuidade da sede da ESGIN em Idanha, nas atuais condições.

O Conselho Intermunicipal em reunião com o Presidente do IPCB, onde este apresentou as propostas de reorganização científica / pedagógica interna, alguns presidentes defenderam mesmo que esta reorganização é uma excelente oportunidade para reforçar todas as valências e autonomia da ESGIN, como sinal positivo para a descentralização do ensino superior público, em territórios de muita baixa densidade, e assim reduzir assimetrias regionais e contribuir para o desenvolvimento da região e do país. 

Nesta moção é reconhecido o desempenho e a procura muito positivos da ESGIN, que podem ser comprovados pelo acréscimo de mais 20% de novos alunos nacionais e pelo crescimento para o dobro de novos alunos internacionais, ou seja, ingressaram na ESGIN mais de 200 novos estudantes só neste ano letivo. 

O prestígio que a ESGIN tem hoje faz desta instituição uma referência na região e no país, por isso tem merecido os maiores elogios públicos por parte das principais entidades do Ensino Superior em Portugal, da sociedade civil, do tecido empresarial, do Poder Local e do Governo da República Portuguesa.

Neste contexto, vai ser remetida a moção em Defesa da ESGIN para o Sr. Presidente do IPCB e para Sua. Exa. o Sr. Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, no sentido de solicitar um compromisso claro sobre a continuidade e funcionamento da ESGIN, com a sua sede em Idanha-a-Nova e a não redução da atividade letiva.

PUB

PUB

PUB

PUB