Criação de empresas em Portugal aumenta quase 20% e insolvências sobem 7%

O tecido empresarial português cresceu 19,8% em janeiro, em termos homólogos, para 6.333 novas empresas, e verificou-se uma subida de 7,4% nas insolvências, para um total de 509 empresas insolventes, divulgou hoje a Iberinform.

  • País
  • Publicado: 2019-02-07
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

O tecido empresarial português cresceu 19,8% em janeiro, em termos homólogos, para 6.333 novas empresas, e verificou-se uma subida de 7,4% nas insolvências, para um total de 509 empresas insolventes, divulgou hoje a Iberinform.

De acordo com a consultora, filial da Crédito y Caución, o ano arrancou com 6.333 novas empresas constituídas contra as 5.288 criadas em janeiro do ano passado.

Em termos absolutos, o distrito de Lisboa liderou o 'ranking' com 1.974 novas constituições, que traduzem um aumento de 8,7% face ao ano passado.

O Porto surge em segundo lugar, com 1.146 novas empresas e um incremento de 17,3%.

Em termos percentuais, os distritos com diferenciais mais significativos foram Horta (150%), Castelo Branco (83,3%) e Évora (63%).

Já Vila Real e Madeira foram os distritos com decréscimos face a 2018, tendo sido observada uma queda de 62 para 57 novas empresas (8,1%) e de 144 para 137 (4,9%), respetivamente.

Segundo os dados da Iberinform, todos os setores de atividade apresentam uma variação positiva face ao ano passado, com o setor outros serviços a registar um total de 2.804 novas empresas, mais 12,2% do que em 2018, enquanto na construção e obras públicas nasceram 832 empresas, o que traduz um aumento de 49,6%.

As atividades de hotelaria e restauração surgem na terceira posição em termos absolutos, com 592 novas constituições e um aumento de 5,3% face a janeiro de 2018.

O crescimento mais significativo foi, no entanto, registado no setor transportes, que passou de 188 novas empresas em 2018 para 393 em janeiro deste ano.

Em relação às ações de insolvência, em janeiro aumentaram 7,4% face a 2018, embora as insolvências requeridas tenham decrescido de 122 em 2018 para 89 (menos 27%) e as ações de insolvência apresentada tenham baixado de 133 para 112 (menos 15,8%).

Os planos de insolvência também apresentam valores inferiores, registando uma queda de oito para três em janeiro deste ano.

A conclusão de processos foi, por seu turno, a única ação que cresceu, evoluindo de um total de 211 em janeiro de 2018 para 305 no mesmo mês de 2019, o correspondente a um aumento de 44,5%.

Lisboa e Porto são os distritos com mais insolvências em termos absolutos, 103 e 134 respetivamente, valores que traduzem uma diminuição de 10,4% em Lisboa e um aumento de 21,8% no Porto.

Segundo a Iberinform, há reduções a registar em sete distritos que representam 28,1% do número total de insolvências no período em análise: entre os quais Évora (70%), Lisboa (10,4%), Santarém (9,1%), Viana do Castelo (12,5%), Vila Real (66,7%), Viseu (54,5%) e Ponta Delgada (33,3%).

Os maiores aumentos de insolvências foram registados em Bragança (150%), Coimbra (122,2%) e Faro (66,7%).

Por setores, os principais decréscimos registam-se nas atividades de eletricidade, gás e água (100%), comércio por grosso (27%), construção e obras Públicas (11,9%) e comércio a retalho (7,5%).

Os aumentos mais significativos surgem nas atividades de agricultura, caça e pesca (75%), indústria transformadora (36%) e outros serviços (31%).

PUB

PUB

PUB

PUB