Ministro afirma que defesa é componente “muito importante” da soberania nacional

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, defendeu hoje que a defesa é uma componente "muito importante" da soberania, considerando fundamental que seja conhecida de todos os cidadãos.

  • País
  • Publicado: 2019-02-22
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, defendeu hoje que a defesa é uma componente "muito importante" da soberania, considerando fundamental que seja conhecida de todos os cidadãos.

"Para nós, o fundamental é que a defesa seja conhecida de todos os cidadãos. A defesa nacional é uma componente muito importante da nossa soberania e, portanto, conhecer a realidade da defesa nacional, ter opinião sobre ela, desenvolver ideias, faz parte da nossa cidadania. Essa é que é a questão central", afirmou.

Gomes Cravinho deslocou-se à Escola Básica e Secundária de Alcains, no concelho de Castelo Branco, para presidir à cerimónia de assinatura dos protocolos de cooperação para a implementação do Referencial de Educação para a Segurança, a Defesa e a Paz, desenvolvido em conjunto pelos ministérios da Defesa Nacional e da Educação, com a colaboração das Áreas de Governo da Presidência e Modernização Administrativa e da Administração Interna.

Os 11 municípios do distrito - Castelo Branco, Covilhã, Fundão, Sertã, Idanha-a-Nova, Proença-a-Nova, Belmonte, Oleiros, Penamacor, Vila Velha de Rodão, Vila de Rei - aderiram ao Referencial de Educação para a Segurança, a Defesa e a Paz.

"Entender a missão fundamental das Forças Armadas na defesa do país é, e deve ser, uma preocupação central de todos os governos", frisou.

O ministro da Defesa adiantou ainda que, atualmente, a missão das Forças Armadas é entendida de "uma forma abstrata".

"Hoje não enfrentamos uma ameaça direta ao nosso território. No século XXI, as ameaças são de natureza diferente e muito difusas, visam questionar os alicerces da nossa sociedade e criar dúvidas, seja através de grupos extremistas e violentos, ameaça cibernética, ‘fake news’ ou, ainda, através do crime organizado. Há um leque amplo de desafios a que temos que dar resposta", sublinhou.

Gomes Cravinho considerou como um ato de cidadania conhecer a realidade e os parâmetros das Forças Armadas e acrescentou que estimular o interesse dos mais jovens "é um ato de muito valor".

Gomes Cravinho explicou que, em 2016, foram assinados protocolos no âmbito do Referencial de Educação para a Segurança, a Defesa e a Paz com Lisboa, Porto, Viseu Vila Real e Viana do Castelo.

"A nossa ambição é que todos os concelhos do país se associem a esta iniciativa", concluiu.

PUB

PUB

PUB

PUB