CDS de Castelo Branco diz que caso L'atitutes é pouco sério e indigno do lugar de respeito

O CDS de Castelo Branco está preocupado com as notícias publicadas na imprensa nacional, e que voltam a ensombrar o nome de Luís Correia e do seu antecessor, Joaquim Morão na autarquia albicastrense.

  • Região
  • Publicado: 2019-04-19
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

O CDS de Castelo Branco está preocupado com as notícias publicadas na imprensa nacional, e que voltam a ensombrar o nome de Luís Correia e do seu antecessor, Joaquim Morão na autarquia albicastrense.

Mark Pereira, o presidente da concelhia do CDS afirma em comunicado que , "É prática do CDS de Castelo Branco não entrar em ondas mediática ou política baixa, daí termos esperado algum tempo para reagir às notícias dando aos visados amplo tempo para responderem publicamente às suspeitas agora levantadas. Não o tendo feito, os albicastrenses têm novamente razões para desconfiar da gestão autárquica de Luís Correia." Mark Pereira diz ainda, que o  "O timing destas notícias não podia ser pior.

Precisamente numa altura em que se está a fazer um grande e necessário esforço para a promoção exterior do nosso concelho, o país todo fala de Castelo Branco, mas não pelas melhores razões. A culpa disto não é de quem informa, é de quem age de forma pouco clara e com contornos éticos muito duvidosos.

Se a presente e muito dispendiosa campanha de promoção da marca Castelo Branco falhar, a culpa é de Luís Correia e ele terá de tirar as devidas ilações." Afirma o presidente da Comissão Política Concelhia do CDS de Castelo Branco.

O comunicado refere ainda que “não tendo havido quaisquer esclarecimentos credíveis acerca das atividades da L'Atitudes (porque o única esclarecimento veio na forma de um comunicado anónimo em nome desta desconhecida organização), o que passou para a opinião pública era de que a mesma se tratou de um esquema pouco sério para captar receitas europeias para a requalificação de património imobiliário camarário. Mesmo que tenham sido só estas as razões para a criação da suposta ONGD, e não tenham havido ganhos pessoais indevidos, continua a ser algo pouco sério e indigno do lugar de respeito que o nosso concelho merece”. lê-se no texto.

PUB

PUB

PUB

PUB