Festival consolida o Plangaio e o Maranho de Proença-a-Nova

O sucesso do Festival do Plangaio e do Maranho renova-se a cada edição. Segundo informação a que o Diário Digital teve acesso, este ano foram vendidas mais de 1.000 doses de ambos os produtos durante os dois dias de festival, além da venda direta. Nove associações da União de Freguesias de Sobreira Formosa e Alvito da Beira serviram refeições e petiscos e treze produtores e artesãos do concelho complementaram esta mostra com produtos como filhós, pão, licores, compotas, enchidos, entre outros produtos e artesanato locais.

  • Economia
  • Publicado: 2019-10-02
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

O sucesso do Festival do Plangaio e do Maranho renova-se a cada edição. Segundo informação a que o Diário Digital teve acesso, este ano foram vendidas mais de 1.000 doses de ambos os produtos durante os dois dias de festival, além da venda direta. Nove associações da União de Freguesias de Sobreira Formosa e Alvito da Beira serviram refeições e petiscos e treze produtores e artesãos do concelho complementaram esta mostra com produtos como filhós, pão, licores, compotas, enchidos, entre outros produtos e artesanato locais.

Os dois ateliers de cultura e gastronomia inseridos no Projeto Beira Baixa Cultural contaram com lotação esgotada. Sábado, Tita Verganista ensinou o processo de confeção do plangaio e foram muitos os assistentes que não quiseram perder a oportunidade de experimentar fazer este enchido tão único. No domingo foi a vez do Chef Miguel Mesquita ensinar a fazer dois pratos: uma salada quente com funcho, tomate cherry, acompanhada com maranho e uma esmagada de batata doce com plangaio, uma combinação de sabores improvável que deliciou quem provou.

Paralelamente à gastronomia, o programa do Festival do Plangaio e do Maranho contou com cultura, história, desporto e animação musical. Sábado, dia 28, o Edifício Fortes e Baterias recebeu o colóquio “Vias da Beira Baixa – abordagem histórica e geográfica à mobilidade”. No final, os participantes foram surpreendidos pelos atores do Váatão e por figurantes locais, que os guiaram até ao recinto do festival para assistir à recriação histórica no âmbito da Rota das Visitas Guiadas e Encenadas do projeto Beira Baixa Cultural – cofinanciado no âmbito do Centro 2020, Portugal 2020 e Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional da União Europeia, promovido pela Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIMBB) – e que retratou um dos momentos da passagem dos invasores franceses pela região.

No domingo cinco equipas participaram no peddy paper A Formosinha e partiram à descoberta da história de Sobreira Formosa, desvendando as pistas dadas ao longo do percurso até chegar ao prémio final. Na música, os Brass Fusion abriram este certame no sábado e, à noite, o destaque recaiu sobre a banda portuguesa “The Lucky Duckies”. Momentos antes, o recinto recebeu os ritmos africanos da Aldeia Djembe Camp e a madrugada foi animada pela banda Red Seven. No domingo, o festival encerrou com o 2º Encontro de Concertinas, organizado pela Escola de Concertinas de Proença-a-Nova, por onde passaram diversos grupos ao longo da tarde.

Reveja os melhores momentos deste festival na página oficial do Facebook do Município.

 

PUB

PUB

PUB

PUB