Município do Fundão assinala o 96º aniversário do nascimento de Eugénio de Andrade

O Município do Fundão irá assinalar o 96º aniversário de Eugénio de Andrade, que se celebra a 19 de janeiro, com um conjunto de iniciativas dedicadas à obra e ao poeta, com lançamento de dois livros, duas exposições e, no final do dia, um recital de piano intitulado "Mar de Setembro".

  • Cultura
  • Publicado: 2019-01-16
  • Autor: Jornal

O Município do Fundão irá assinalar o 96º aniversário de Eugénio de Andrade, que se celebra a 19 de janeiro, com um conjunto de iniciativas dedicadas à obra e ao poeta, com lançamento de dois livros, duas exposições e, no final do dia, um recital de piano intitulado "Mar de Setembro".

 

Sábado, 19 de janeiro

15.00h   Inauguração da exposição "Eugénio & Maçarico – Itinerários da Amizade", na Casa da Poesia, na Póvoa de Atalaia, que estará patente até dia 21 de abril.

15.30h   Apresentação da Antologia "O Sol é Secreto: Poetas celebram Eugénio de Andrade", na Casa da Poesia Eugénio de Andrade.

16.00h   Apresentação do livro "Correspondência de Eugénio de Andrade a Dario Gonçalves", de António Oliveira, na Casa da Poesia Eugénio de Andrade.

17.00h   Encontro na BIBLOS com Eugénio de Andrade, no Espaço BIBLOS, sito na Rua do Serrão nº5, no Fundão.

21.30h   Recital de piano "Mar de Setembro" – Poesia de Eugénio de Andrade e García Lorca e música de Fernando Lopes-Graça, com Cristina Pamplona (Soprano) e Joana Resende (Piano), n' A Moagem – Cidade do Engenho e das Artes, no Fundão.

 

Até dia 28 de fevereiro estará, ainda, patente a exposição "Eugénio de Andrade – Poesia Fotografada", na Biblioteca Municipal Eugénio de Andrade, no Fundão.

Eugénio de Andrade, pseudónimo de José Fontinhas, nasceu a 19 de janeiro de 1923, na Póvoa de Atalaia, concelho do Fundão. Em 1932, com sete anos de idade, acompanha a mãe para Castelo Branco e um ano mais tarde para Lisboa.

Não obstante o seu prestígio, Eugénio de Andrade passou toda a sua existência afastado da vida social, literária ou mundana. Nutria aversão pela comunicação social, distanciou-se de colóquios, congressos e reuniões, nunca tendo sequer sido concorrente nos prémios que lhe foram atribuídos em Portugal, França, Brasil ou na ex-Jugoslávia. Tal como nunca ostentou quaisquer insígnias das condecorações com que o agraciaram. As escassas aparições públicas deveram-se apenas à amizade.

Traduzido em cerca de 20 línguas, a poesia de Eugénio de Andrade tem sido estudada e comentada por grandes vultos da literatura e língua portuguesa e suscitado interesse de diversos músicos.

Viveu no Porto, de que foi cidadão honorário e onde foi criada uma Fundação com o seu nome, até à sua morte a 13 de junho de 2005. Na sua aldeia, Póvoa de Atalaia, na antiga escola primária, nasceu a Casa da Poesia, um espaço interpretativo dedicado à vida e obra do poeta, cujo espólio representa o percurso biográfico e a obra literária de Eugénio de Andrade, utilizando textos, imagens, objetos e vídeos.

96 anos após o seu nascimento, a 19 de janeiro de 2019, a terra que o viu nascer propõe-se a homenagear o Homem, o filho e o poeta, que em tantas linhas glorificou a aldeia, a montanha, a paisagem e as gentes.

 

Exposição "Eugénio de Andrade – Poesia Fotografada"

2 de janeiro a 28 de fevereiro | Biblioteca Municipal Eugénio de Andrade | Fundão

Esta exposição foi realizada pelos elementos do Clube de Leitura "Leituras à volta da mesa", da cidade de Salamanca. Tendo como mote o gosto pela poesia de Eugénio de Andrade e após a visita ao seu território natal no ano de 2017, aquando do encontro com o Clube de Leitura da Biblioteca Municipal do Fundão, foi proposta a realização de um raid foto poético sobre Eugénio de Andrade, cujo resultado são 30 fotografias que retratam o território do poeta e compõem esta exposição.

 

Exposição "Eugénio & Maçarico – Itinerários da Amizade"

19 de janeiro | 15.00h | Casa da Poesia Eugénio de Andrade | Póvoa de Atalaia

Exposição patente até dia 21 de abril

A exposição "Eugénio & Maçarico – Itinerários da Amizade", que será inaugurada às 15.00h, na Casa da Poesia Eugénio de Andrade, na Póvoa de Atalaia, revela o que foi a ligação de amizade e cultural do antropólogo, e também poeta, muito relacionado com Alpedrinha, Luís Maçarico com Eugénio de Andrade. Esta mostra evoca os tempos de relação entre o discípulo e o grande mestre das palavras traduzindo imagens, cartas e pinturas.

 

Antologia "O Sol é Secreto – Poetas celebram Eugénio de Andrade", com organização de Carlos d'Abreu, Luís Maçarico e Pedro Salvado

19 de janeiro | 15.30h |  Casa da Poesia Eugénio de Andrade

Na Escola Primária da Póvoa de Atalaia terá lugar, pelas 15.30h, a apresentação da antologia "O Sol é Secreto", organizada por Pedro Miguel Salvado, Carlos D'Abreu e Luís Maçarico, que reúne mais de 100 poetas ibéricos que se quiseram associar à comemoração e ao futuro da Casa da Poesia. Os poetas presentes irão ler as suas composições.

 

Livro "Correspondência de Eugénio de Andrade a Dario Gonçalves", de António Oliveira

19 de janeiro | 16.00h | Casa da Poesia Eugénio de Andrade

Esta é uma obra que retrata a amizade entre Eugénio de Andrade e Dario Gonçalves, envolvendo poemas inéditos da coleção de Dario Gonçalves, correspondência da proveniência mais diversa, postais e bilhetes trocados.

 

Encontro na BIBLOS com Eugénio de Andrade

19 de janeiro | 17.00h | Espaço BIBLOS | Rua do Serrão, nº5 | Fundão

A BIBLOS promove um encontro à volta da poesia de Eugénio de Andrade no aniversário de nascimento do Poeta. Os habitantes da Comuna e outros convidados irão brindar o Poeta com a leitura de uma seleção dos seus poemas.

O espaço BIBLOS é totalmente dedicado à palavra escrita no seu sentido mais amplo, em género ou forma; poesia, prosa, ensaio, entre outros.

 

Concerto "Mar de Setembro"

19 de janeiro | 21.30h | A Moagem – Cidade do Engenho e das Artes | Fundão

Concerto com poemas de Eugénio de Andrade e García Lorca, música de Fernando Lopes-Graça e interpretação de Cristina Pamplona (Soprano) e Joana Resende (Piano). A entrada terá o custo de 4€ para o público geral.

Mar e Canção são o movimento e a invocação dos poetas "sedentos de ser", que "procuram uma reconciliação, uma suprema harmonia entre luz e sombra, presença e ausência, plenitude e carência". Nenhum poeta espanhol fascinava tanto Eugénio de Andrade como García Lorca.

Espanha e Portugal são neste recital dois remos de um só barco, aquele que navega pelo "mar que sorri ao longe". Espanha, traduzida e cantada nos poemas e canções de Lorca, é "canção escrita nas areias de Laga" no ciclo de canções sobre poemas de Eugénio de Andrade, Mar de Setembro, de Fernando Lopes-Graça, o compositor português que deu a Portugal uma fonte de pedra perene para beber diretamente da raiz.

Para Eugénio de Andrade "Fernando Lopes-Graça não abdica de sonhar essa aliança primogénita entre palavra e música, fazendo de ambas uma única e crispada alegria".

Este recital é assim uma visitação ibérica ao mundo singular da alma poética, encontrando em Eugénio de Andrade e García Lorca o olhar gémeo que convida, fascina e revela.

Para Alcina Cerdeira, Vereadora da Cultura da Câmara Municipal do Fundão, «a obra de Eugénio de Andrade tem uma amplidão universal e é uma das grandes referências da história da literatura portuguesa. A abertura, na Póvoa de Atalaia, terra natal de Eugénio, em 2017, da Casa da Poesia de Eugénio de Andrade teve por objetivo, entre outros, agregar este espaço das primeiras letras – a escola primária, à criação do seu conterrâneo mais notável. Mas queremos ao mesmo tempo, que seja um sítio associado a uma paisagem que divulgue a obra, mas estabeleça um cruzamento com poetas atuais. Certas facetas menos conhecidas da sua vida, nomeadamente as redes de amizade, de permuta ou de fusão poética serão recordadas neste espaço. A casa irá comemorar sempre Eugénio de Andrade, mas será um polo dinamizador da Poesia sem fronteiras linguísticas ou culturais».

PUB

PUB

PUB

PUB