Guitarrista Bruno Chaveiro apresenta quinta-feira o álbum de estreia “#Desatino”

O guitarrista Bruno Chaveiro apresenta o seu álbum de estreia, “#Desatino”, que inclui composições de sua autoria, na quinta-feira, no Museu do Fado, em Lisboa.

  • Cultura
  • Publicado: 2019-03-06
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco/Lusa

O guitarrista Bruno Chaveiro apresenta o seu álbum de estreia, “#Desatino”, que inclui composições de sua autoria, na quinta-feira, no Museu do Fado, em Lisboa.

O álbum, segundo o músico, nasceu da "vontade em partilhar com o público” as suas criações e as melodias que elegeu como preferidas, nomeadamente “Variações em Ré”, de Domingos Camarinha, ou “Valsinha”, de José Fontes Rocha, entre outras.

Na sexta-feira à noite, um dia depois da presença no Museu do Fado, o guitarrista de 25 anos apresenta o CD no Cineteatro Curvo Semedo, em Montemor-o-Novo, no distrito de Évora, num espetáculo em que participam as fadistas Mara e Margarida Guerreiro.

Nas duas apresentações, com Bruno Chaveiro (guitarra portuguesa), tocam os músicos Pedro Soares, na viola, André Moreira, na viola baixo, Sertório Calado, na bateria (versão reduzida), e Eduardo Espinho, na guitarra elétrica.

O CD abre com “Noturno”, de Casimiro Ramos e, da autoria de Chaveiro, inclui as composições “Desatino”, que dá título ao CD, “Dimensão”, para guitarra portuguesa, viola, viola baixo e bateria, “Saudades”, para guitarra portuguesa, viola e guitarra elétrica, e “Simplesmente”, para o mesmo conjunto instrumental.

“Este disco é ‘simplesmente’ um registo das minhas composições, da minha música... É, na verdade, uma autobiografia expressa por meio da música, agradecendo a todos os que foram cruciais para a minha aprendizagem musical e pessoal. Escolhi ou compus cada um dos temas pensando em determinados momentos/pessoas a quem devo o que sou”, disse o músico.

Bruno Chaveiro nasceu em Morges, na Suíça, e estreou-se em palco aos 11 anos. Aos 15 tomou contacto com a guitarra portuguesa, pela qual se apaixonou e nunca mais largou, como disse à Lusa.

Aos 17 anos “assumi-me como guitarrista e a viola ficou definitivamente para trás”, declarou.

O CD reflete “17 anos de vivência no fado, dez anos a tocar guitarra portuguesa e cinco anos a viajar pelo mundo em prol do fado e da música tradicional portuguesa”, disse.

Músico residente da casa de fados Bota Alta, em Évora, desde 2007, fixou-se em Lisboa em 2011, onde começou a tocar em diferentes casas e a acompanhar diferentes fadistas.

Licenciado em Guitarra Portuguesa, pela Escola Superior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco, assume-se como discípulo do guitarrista e compositor Custódio Castelo.

Deste, o CD inclui “Dança em Tango” e conta com a participação do mestre na interpretação do tema “Antigamente”, de autoria de Chaveiro.

Bruno Chaveiro terminou a licenciatura em 2016 com distinção e a nota máxima de 20 valores, em execução do instrumento, e começou a tocar com fadistas como Celeste Rodrigues, Mísia, Raquel Tavares, Pedro Moutinho, Fábia Rebordão, Jorge Fernando, Carminho, Cuca Roseta, Buba Espinho, Marco Rodrigues e Ana Lains, entre outros.

Atualmente, é músico residente da Casa de Linhares – Bacalhau de Molho, no bairro lisboeta de Alfama.

O CD “#Desatino” é produzido pelo próprio Bruno Chaveiro, que o gravou com os músicos Flávio Cardoso e João Domingos, na guitarra clássica, André Moreira e José Ganchinho, na viola baixo, Ivo Martins, na bateria, e Eduardo Espinho, na guitarra elétrica.

O álbum conta com as participações especiais de Carlos Lopes, no acordeão, e Custódio Castelo, na guitarra portuguesa.

PUB

PUB

PUB

PUB