Melhores ‘Queijos de Portugal 2019’ em concurso

As provas de avaliação da 11.ª edição do ‘Concurso Queijos de Portugal’, promovido pela Associação Nacional dos Industriais dos Lacticínios (ANIL), decorrem na tarde de ontem e prolongam-se até hoje, dia 11 de Outubro, nas instalações da ALS Controlvet / Fullsense, em Tondela. De destacar os números que são recordes: 210 queijos e 25 jurados. 

  • País
  • Publicado: 2019-10-11
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

As provas de avaliação da 11.ª edição do ‘Concurso Queijos de Portugal’, promovido pela Associação Nacional dos Industriais dos Lacticínios (ANIL), decorrem na tarde de ontem e prolongam-se até hoje, dia 11 de Outubro, nas instalações da ALS Controlvet / Fullsense, em Tondela. De destacar os números que são recordes: 210 queijos e 25 jurados.

O ‘Concurso Queijos de Portugal’ nasceu, em 2009, com o objectivo de potenciar e dinamizar toda a indústria de queijo. A economia nacional atravessada uma fase complicada e o sector estava muito estagnado. A ANIL propunha-se, através desta competição, a gerar dinâmica e a estimular os produtores a inovar, através do lançamento de novidades, queijos melhores, mais saborosos e mais bem trabalhados. Ao mesmo tempo, pretende fomentar o conhecimento do produto e despertar a atenção do consumidor para as suas diversas variedades, elevando o consumo de queijo (e de leite).

Ao longo destes anos, tem sido notório o aparecimento de novos queijos, com sabores, com bolores de superfície, entre outras características. Também por isso, há necessidade da ANIL fazer adaptações no concurso. Este ano, por exemplo, há mais duas categorias: ‘Novos Sabores Frescos’ – premiada, pela primeira vez, na passada edição, mas sem categoria oficialmente aberta – e ‘Queijo de Ovelha Amanteigado’. Elevam-se assim a 23 as categorias do ‘Concurso Queijos de Portugal’ (consultar lista completa abaixo).

Esta competição é realizada anualmente, sendo feita em regime de “prova cega”, por jurados com proveniências diversas: representantes do sector queijeiro, dos organismos de controlo e certificação, de instituições de ensino, da restauração e da gastronomia, da distribuição e comunicação social. Para reforçar a qualidade e a seriedade do desafio, na avaliação objectiva e técnica das amostras enviadas pelos participantes, a ANIL passa a integrar no painel de jurados, a partir desta edição, representantes de empresas do sector industrial (diferentes de ano para ano, dando voz a todas). Nota ainda para o facto de, este ano, se juntarem ao Concurso dois membros brasileiros, ficando assim uma porta aberta para difundir os sabores dos queijos portugueses além fronteiras. 

PUB

PUB

PUB

PUB