Castelo Branco: Cláudia André tomou posse como deputada na Assembleia da República

Cláudia André foi empossada, no passado dia 25 de outubro, como deputada à Assembleia da República para a XIV Legislatura, que agora se inicia.

  • País
  • Publicado: 2019-10-28
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

Cláudia André foi empossada, no passado dia 25 de outubro, como deputada à Assembleia da República para a XIV Legislatura, que agora se inicia. A deputada foi a primeira mulher, natural e residente no distrito de Castelo Branco, a ser eleita por este círculo, enquanto cabeça de lista do PSD.

“Senti um comprometimento enorme quando entrei na Assembleia da República para o primeiro dia da nova legislatura”, sublinhou Cláudia André, para acrescentar: “É um cargo de enorme responsabilidade, que encerra grandes desafios, mas tudo farei para estar à altura e defender os interesses do distrito e do país”.

Segundo informação a que o Diário Digital teve acesso, a deputada ambiciona “fazer a diferença”, embora admita que “não será tarefa fácil”. Para Cláudia André, “a atual composição da Assembleia da República resulta de uma nova realidade democrática que se vive em Portugal, onde todos devemos ser capazes de interpretar os sinais do eleitorado e dar as respostas necessárias para os problemas que o país enfrenta”.

“O PSD apresentou-se nestas eleições com um programa político sério e rigoroso, que colocava Portugal em primeiro lugar. Assumiu-se também como o único partido capaz de construir pontes e consensos credíveis, com o firme propósito de ter uma nação mais justa e equitativa”, notou Cláudia André.   

Invocando “o exemplo e o espírito de missão”, que caraterizam o líder do PSD, Rui Rio, a nova deputada não tem dúvidas de que é “possível fazer mais e melhor, através de um esforço renovado e de muito trabalho”. Cláudia André entende que “a política deve existir para servir os interesses do país e dos seus cidadãos e não os interesses individuais, de qualquer partido ou grupo de interesse, como tantas vezes sucede”.

Questionada sobre o papel do PSD na nova legislatura, Cláudia André entende que “o partido deve concentrar-se nas questões ligadas ao ordenamento do território, principalmente na perspectiva ambiental, e ao despovoamento do interior, dois temas que lhe são muito próximos. Além disso, “o partido deve unir-se em torno da sua liderança e perceber que críticas gratuitas e polémicas estéreis, não o levarão a lado nenhum”. Chegou o momento da responsabilidade e do “toque a reunir”, atalhou.

Apelando a um maior envolvimento da sociedade civil, Cláudia André instou a população “a não se demarcar do futuro do país”, como os números da abstenção demonstram: “Temos de olhar para os valores da abstenção e fazer uma reflexão profunda. Há uma desilusão generalizada face à classe política e que é instigada por vários quadrantes. É preciso que a população volte a confiar nos políticos e só políticos verdadeiros, trabalhadores e com sentido de missão o conseguirão. Não tenho dúvidas de que esse é um trabalho em que Rui Rio se tem envolvido ativamente”.

O mandato que agora inicia na Assembleia da República é encarado por Cláudia André com “enorme responsabilidade e um profundo sentir do dever”. A professora e ainda vereadora da Câmara Municipal da Sertã, acredita que as suas experiências anteriores serão “uma mais-valia para as novas funções”, mostrando-se muito sensível para com problemas que nem sempre estão na ordem do dia. “Vou fazer o meu melhor e tentar não defraudar todos os que votaram no PSD. Prometo o que apenas depende de mim, por isso me comprometo a desenvolver muito trabalho e uma luta constante pela defesa dos interesses dos portugueses, em especial dos que ainda habitam e trabalham no nosso distrito”.

 

PUB

PUB

PUB

PUB