Festival Fora do Lugar leva a Idanha-a-Nova músicos e projetos de 9 países

O Festival Fora do Lugar regressa a Idanha-a-Nova, distrito de Castelo Branco, para a oitava edição, entre os dias 22 de novembro e 07 de dezembro, com músicos e projetos de nove países europeus e americanos.

  • Cultura
  • Publicado: 2019-11-06
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco

O Festival Fora do Lugar regressa a Idanha-a-Nova, distrito de Castelo Branco, para a oitava edição, entre os dias 22 de novembro e 07 de dezembro, com músicos e projetos de nove países europeus e americanos.

“Na mais pequena região da Rede de Cidades Criativas da UNESCO”, vão atuar “músicos e projetos vindos de Portugal, Espanha, Inglaterra, Suécia, Argentina, Estados Unidos da América, Grécia, Finlândia e Síria, para uma grande festa ‘fora do lugar’ em três semanas e oito dias de programação", explica, em comunicado, o diretor artístico da iniciativa, Filipe Faria, um dos responsáveis do projeto Arte das Musas.

Resultado da parceria entre a Arte das Musas e o município de Idanha-a-Nova e com o apoio do Ministério da Cultura e da Direção-Geral das Artes, o Fora do Lugar - Festival Internacional de Músicas Antigas, assume uma proposta inspirada no mundo rural, virada para o país, a Europa e o mundo.

No total, esta edição conta com um conjunto de 28 atividades entre concertos, oficinas com os músicos convidados, programa educativo de música e corpo, a gastronomia regional, caminhadas na natureza e ‘birdwatching', cinema documental, fotografia, arte sonora e exposições, sendo que este ano conta com novas parcerias com o DocLisboa, o Geopark Naturtejo e a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA).

"A música dá o mote, num evento que vai mais além e se converte numa experiência única do lugar. É o sabor da terra, uma terra que se revela, se reinventa e persiste em trilhar um caminho feito de legados, mas de rosto voltado para o futuro. Certamente por isso, na cumplicidade de uma identidade partilhada, Idanha-a-Nova e o Fora do Lugar se entendem tão bem", explica o presidente da Câmara de Idanha-a-Nova.

O evento começa no dia 22 de novembro, em Idanha-a-Velha, com o projeto Alternative History oriundo de vários lugares (Inglaterra, Suécia, Argentina e EUA), liderado pelo tenor inglês John Potter.

Da Finlândia, vem Karoliina Kantelinen, uma das últimas representantes do canto tradicional carélico, no dia 23 de novembro.

O Fora do Lugar visita ainda a aldeia de Toulões no dia 29 de novembro, onde levará o Ensemble Allettamento, de Mario Braña Gómez e Elsa Pidre Carballa, a uma viagem através da música dos séculos XVI e XVII.

No dia 30, os Milo Ke Mandarini Quartet (Espanha, Grécia) trazem a música mediterrânea à Noite Cheia do Festival que conta ainda com exposições, concertos, gastronomia e cinema documental, a partir das 20:30.

O último fim de semana começa com o Concerto Campestre (Portugal), no dia 06 de dezembro, em Segura, e fecha, no dia seguinte, novamente em Idanha-a-Velha, com a cantora e tocadora de ‘oud' Waed Bouhassoun (Síria), que descreve a sua música, muito ligada às suas raízes, como expressão da sua própria identidade.

O festival promove ainda um conjunto alargado de outras atividades paralelas ao longo de todo o período entre 22 de novembro e 07 de dezembro.

PUB

PUB

PUB

PUB