Covid-19: Maternidade do Hospital de Abrantes transferida para Torres Novas

Os serviços de maternidade e de Ginecologia/Obstetrícia instalados na unidade hospitalar de Abrantes vão ser transferidos às 00:00 de terça-feira para o hospital de Torres Novas, no âmbito do Plano de Contingência do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT).

  • País
  • Publicado: 2020-03-24
  • Autor: Diário Digital Castelo Branco/Lusa

Num comunicado divulgado, o CHMT, que abarca os hospitais de Abrantes, Tomar e Torres Novas, todos no distrito de Santarém, refere que esta medida decorre no âmbito da atual pandemia do novo coronavírus.

"Durante o período de mudança", que decorrerá nos dias 24, 25 e 26 de março, "não haverá Serviço de Urgência Obstétrica no Centro Hospitalar do Médio Tejo devendo as utentes dirigirem-se ao Hospital de Santarém ou ao Centro Hospitalar de Leiria ou à Unidade Local de Saúde de Castelo Branco", refere o CHMT.

O objetivo é "concentrar na Unidade Hospitalar de Abrantes os seus meios clinicamente mais diferenciados para a primeira linha de assistência aos doentes com Covid-19", vinca a mesma nota informativa, acrescentando que "a maternidade iniciará a respetiva atividade assistencial na Unidade Hospitalar de Torres Novas a partir da 09:00 de quinta-feira".

Segundo o CHMT, a mudança de instalações da maternidade "decorrerá tão-só enquanto durar o plano de contingência de combate ao novo coronavírus", sendo que, esta terça-feira, “apesar de já não haver inscrições e/ou admissões de utentes, estará em presença física um ginecologista-obstetra na Unidade Hospitalar de Abrantes para eventuais esclarecimentos e atuação exclusivamente ‘in extremis’".

O CHMT já havia anunciado em 17 de março que o hospital de Abrantes iria ser o centro de acolhimento dos casos mais graves identificados com o novo coronavírus, uma medida que inclui ainda a transferência do Serviço de Ortopedia de Abrantes para o Hospital de Tomar.

Segundo o CHMT, estas transferências temporárias "permitirão reforçar, na Unidade Hospitalar de Abrantes, as condições operacionais ao nível da urgência e emergência e nos aspetos críticos da salvaguarda da vida", de forma a "prestar os cuidados assistenciais que os doentes necessitam, preservando-se, tanto quanto possível, a segurança de profissionais e utentes do Centro Hospitalar do Médio Tejo".

Constituído pelas unidades hospitalares de Abrantes, Tomar e Torres Novas, separadas geograficamente entre si por cerca de 30 quilómetros, o CHMT funciona em regime de complementaridade de valências, abrangendo uma população na ordem dos 260 mil habitantes de 11 concelhos do Médio Tejo, no distrito de Santarém, Vila de Rei, de Castelo Branco, e ainda dos municípios de Gavião e Ponte de Sor, ambos de Portalegre.

Em Portugal, há 23 mortes e 2.060 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral de Saúde.

Dos infetados, 201 estão internados, 47 dos quais em unidades de cuidados intensivos.

Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e até às 23:59 de 02 de abril.

Além disso, o Governo declarou na terça-feira o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

PUB

PUB

PUB